APELO AO PR JOSÉ EDUARDO DOS SANTOS. O banco millennium Angola na rua rei Katyavala roubou-nos o terreno e nele montou um gigante gerador que dia e noite nos mata com fumo mortal. Não se justifica este crime horrível porque há energia eléctrica. Os moradores já se queixaram mas em vão. Já há anos que vivemos de janelas e portas fechadas. Apelamos para que V. Ex.ª ordene o fim imediato deste crime e que os culpados sejam enviados para a justiça e que os lesados recebam as devidas indemnizações.

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Inflação está a aumentar há cinco meses consecutivos






Depois de ter atingido um mínimo histórico de 6,89% em Junho de 2014, o ritmo anual de crescimento dos preços acelerou para 7,49% em Novembro.

Carlos Rosado de Carvalho


Desvalorização do kwanza é um dos factores que explicam a derrapagem.
O custo de vida em Angola aumentou 7,49% em Novembro de 2014 em comparação com o mesmo mês do ano passado, de acordo com dados do Instituto Nacional de Estatística (INE).
É o quinto mês consecutivo de subida da taxa de inflação homóloga angolana, medida pela variação do índice de preços no consumidor na província de Luanda num determinado mês do ano face ao mesmo mês do ano anterior. Depois de ter atingido um mínimo histórico nos 6,89% em Junho de 2014, o custo do cabaz que reflecte o consumo dos luandenses aumentou, em termos homólogos, 6,98% em Julho, 7,05% em Agosto, 7,19% em Setembro, e 7,48% em Outubro.
Feitas as contas, entre Junho e Novembro, a taxa de inflação homóloga acelerou de 6,89% para 7,49%, isto é, um aumento de apenas 0,5 pontos percentuais.
Continue a ler este artigo na edição impressa disponível amanhã nas bancas

Novos dados sobre caso Bárbara de Sá Nogueira embaraçam director da DPIC





Lisboa - Fontes próximas da DPICLuanda que pediram anonimato, disseram ao ClubK que a versão dos factos, segundo a qual Bárbara de Sá Nogueira e Judith da Silva eram lésbicas e amantes não passa de uma invenção da própria Policia para facilmente mostrar a sociedade a sua eficácia e eficiência no esclarecimento de mais um caso mediático. Por outro lado, dizem as mesmas fontes que a versão criada visou também proteger alguma figura considerada de grande influência neste país envolvida no caso e que não podia aparecer.

Fonte: Club-K

Segundo as mesmas fontes, foi o actual Director Provincial da Investigação Criminal de Luanda, Amaro Neto, quem criou e procurou sustentar esta versão. Assim é que as imagens gravadas no circuito interno do restaurante junto aos prédios da Filda, local onde as duas amigas almoçaram no dia anterior ao sucedido, que apontam para a existência de outras pessoas, bem como de contactos da falecida com determinadas pessoas que indiciavam a sua envolvência em algum negócio, sem a participação da Judith Silva, ja que esta, no momento em que Bárbara de Sá Nogueira saiu do restaurante para contactar certas pessoas, deixa a Judith sozinha no restaurante e só volvido um longo periodo de tempo é que volta ao restaurante. Estas imagens foram completamente “ignoradas” na investigação do caso. Porque razão a polícia não juntou tais imagens, só mesmo o receio da verdade dos factos pode justificar tal atitude de um órgão com grandes responsabilidades na definição da vida futura das pessoas que muitas das vezes inocentemente se vêm envolvidas em situações de ilícitocriminal.
A Polícia de Investigação Criminal teve acesso a estas imagens através do seu oficial, de nome Jorge Cerqueira, filho do Comandante Cerqueira e primo da vítima, que inicialmente esteve ligado as investigações, mas tão logo se soube da morte de Bárbara de Sá Nogueira, foi afastado das mesmas (investigações) pelo Director Amaro Neto.
Segundo ainda as mesmas fontes, tão logo o cadáver de Bárbara foi encontrado, Amaro Neto chamou ao seu gabinete dois amigos do casal Sá Nogueira que participaram nas buscas, ‘Tony Comando” ou Diakuzuca como também é conhecido e Maninho da auto Pechincha, este último, antigo sócio de Atos de Sá Nogueira, esposo da vítima, dizendo­ lhes claramente que: “O Atos não devia entrar no seu gabinete para participar da conversa e pediu a estes para não mais pressionarem as investigações porque existe uma pessoa muito influente no país que não poderia aparecer neste caso.
Esta versão só não veio ao de cima no julgamento, porque o Maninho não foi arrolado como declarante e o Tony Diakuzuca foi pressionado pelos familiares a não dizer isto para não pôr em risco a vida dos seus familiares, devido ao medo de represálias, de tal sorte que o mesmo desapareceu nas ultimas sessões e só mesmo depois de ouvir o seu nome num pedido de comparência difundido na Rádio Nacional de Angola é que compareceu na ultima sessão, porque receava ser responsabilizado judicialmente.
Só assim também se entende que os vários exames mandados realizar no Laboratório Central de Criminalistica, desde as impressões digitais encontradas e retiradas da faca provavelmente utilizada para matar Bárbara e na viatura da vítima e os presumíveis vestígios do crime encontrados no apartamento de Judith da Silva, não constam nos resultados do processo, nem sequer foram cobrados pelos órgãos de Investigação
Criminal, assim como pela Procuradoria da República junto da DPIC e do Tribunal Provincial de Luanda, que constituem diligencias essenciais de prova para se saber a quem pertencem as impressões digitais aí encontradas, já que os peritos nas suas conclusões dizem que “para os devidos exames, foram ocupados e remetidos aos laboratórios correspondentes, os seguintes vestígios e evidencias:
- Dois formulários com impressões digitais colectadas a cidadão Judith Maria Graça da Silva, (Laboratório Identificação de Pessoas).
- Três transplantes com vestígios lofoscópicos (Laboratório de Lofoscopia).
- Cinco zaragatas com presumíveis vestígios biológicos, tal como suor (Laboratório de Biologia).
- Seis zaragatas com manchas semelhantes a sangue (Laboratório de Biologia). - Quatro sacos plásticos de cor preto (Laboratório de Lofoscopia).
- Cabelos (Laboratório de Biologia).
- Uma faca de cozinha (Laboratório de Sinais e Marcas).”
No outro relatório os peritos que realizaram o exame no local onde o cadáver foi encontrado, concluíram que realmente a versão tornada pública e que Judith disse em Tribunal ter sido criada pela polícia e sob ameaças e coação física foi obrigada a assumir no processo, segundo a qual Judith depois de matar a amiga por ciúmes porque namoravam (lésbicas), colocou o cadáver numa mala para no dia seguinte se desfazer do mesmo (cadáver) não corresponde com à constatação feita no terreno, dizendo que, “de acordo com as declarações de Judith Maria Graça da Silva, reportadas nas fotos 83, 84 e 85, o momento em que ela, colocou o cadáver na mala, posteriormente em sacos, no dia 31 de Maio de 2013, não coincide com a realidade dos factos porquanto que o processo de rigidez cadavérica vai de 4 à 8 horas. O que impossibilitaria colocar os restos mortais de Barbara Marise Meneses de Sá Nogueira, na mala, ...”.
O que significa que a posição de braços abertos como o cadáver foi encontrado, segundo o retratado na fototábua, sustenta as conclusões, uma vez que um corpo levado num mala 24 horas depois não podia ser encontrado naquela posição, isto é, com os braços abertos, mas sim encolhidos. Além de que, pelo tamanho da Bárbara o seu corpo não caberia numa mala a não ser que fosse descortejada, o que também não ocorreu neste caso.
A ocultação destas diligências essenciais, incluindo o facto de ignorarem as conclusões da peritagem indiciam claramente que “há gato escondido com rabo de fora” pois, se as impressões digitais fossem da Judith os resultados estariam no processo.
Por esta razão é que desde a primeira hora, a mãe de Bárbara de Sá Nogueira vem manifestando o seu desagrado pela forma como as investigações e o julgamento foram conduzidos, alegando mesmo publicamente, quer em plena sala de audiências, quer através dos órgãos de comunicação social, de que faltavam pessoas naquele banco dos réus, numa alusão de que se fosse Judith a matar a sua filha não poderia fazer isto sozinha.
Outra pessoa que também não deveria ficar fora dos suspeitos é o próprio marido da vítima, que tem antecedentes, como desconfiança de que a mulher lhe estava a trair com outra pessoa, a ponto de surgirem rumores de que a falecida estava grávida com outra pessoa, e que em consequência, colocou um GPS no telefone da mulher para seguir os seus passos. Tudo isto aponta para ele, como pessoa com eventual interesse na morte de Bárbara de Sá Nogueira. Primeiro porque segundo a mãe da vítima a relação entre o casal já não era boa, embora ocultara antes nas suas primeiras declarações, como lhe confidenciou a sua filha em vida. Reforça esta versão o facto de Atos de Sá Nogueira se apresentar muito frio durante o óbito e logo nos dias que se seguiram, festejou o seu aniversário como se nada tivesse acontecido, conforme declarou a mãe da vítima. Fontes proximas da familia de Bárbara de Sá Nogueira, durante o julgamento tomaram conhecimento que Atos faltou em algumas sessões, justificando perante o Tribunal que

seria operado, mas encontravase em Cabo Verde numa festa onde tem uma outra relação. Segundo a mesma fonte, Atos há muito tentou persuadir a Bárbara a vender todo o patrimonio que o casal tinha em Angola para deixarem o país e irem viver em Cabo Verde, país para onde tem transferido alguns dos seus investimentos.
Por essa razão é que se pergunta quem tiraria vantagens patrimoniais com a morte de Bárbara? A resposta a esta pergunta poderia talvez esclarecer outras questões.
Que Bárbara de Sá Nogueira estava envolvida em negócios que não se sabe com quem, estava. Alias, o seu colega, subgerente do Banco confirmou na fase de investigação do processo que a falecida comunicoulhe naquele fatídico dia que chegaria mais tarde ao serviço porque teria contacto com uns clientes na zona da Filda, o que também foi confirmado pela amiga da falecida Ana Cláudia. Esta versão não podia ser ignorada pela investigação, até porque era necessário saber que tipo de negócio e quem eram as pessoas que estavam a fazer o mesmo (negócio) com a vítima. Mas como não havia interesse em se chegar a verdade, os órgãos de investigação resolveram trilhar o caminho mais fácil, o de encontrar alguém a quem pudessem imputar facilmente as responsabilidades.
Rumores correm, segundo as mesmas fontes, de que isto tem muito de verdade, uma vez que só assim se entende que Amaro Neto, estando ligado ao caso Kamulingue, como a pessoa que ordenou ao Miranda a contactar o então Director do SINSE Luanda, Viera Lopes para o cumprimento de uma missão, estando os outros afastados dos seus cargos e presos, este continua solto e a exercer o mesmo cargo normalmente, quando no mínimo enquanto durassem as investigações e o julgamento, deveria estar suspenso para não dizer mesmo preso, o que leva as fontes a concluirem que há aqui uma troca de favores entre o actual Director da Investigação Criminal de Luanda e a dita personalidade influente no pais, já que se Amaro Neto cair na desgraça a verdade poderá vir ao de cima e provocar outros estragos.
Para melhor compreensão vejam algumas fotografias do caso e as imagens que foram ocultadas pela polícia.
Enfim, varias são as contradições neste processo e varias são as situações por esclarecer ou mal esclarecidas.
Nas próximas edições falaremos sobre outros detalhes deste caso ainda nao encerrado na justiça angolana. 
Paulo das Neves 

Igreja Católica submissa aos pés do ditador - Raul Diniz





Luanda - Angola atravessa momentos de trevas espessas, principalmente no interior da igreja católica apostólica Romana de Angola, A imenso tempo a igreja católica romana em Angola retirou do centro da congregação a essência fundamental do cristianismo, a glória de Deus manifesta no amor e justeza do filho de Deus, o Cristo ressuscitado de Deus Jeová. A unção e o poder benigno de Deus não poderá jamais conviver de maneira nenhuma com a mentira, o peculato, nem com o nepotismo e da corrupção. A igreja católica tirou do centro da sua congregação a glória do Deus vivo e verdadeiro e em substituição colocou no seu lugar, o micro-diabo/deus são José Eduardo dos Santos, o deus demonizado, e aceite como senhor e deus, pelo estrabismo do bispado e sacerdotes católicos angolanos.

Fonte: Club-k.net  

COM TODA CERTEZA OS CATÓLICOS NÃO ESTÃO MINIMAMENTE FELIZES COM AS PRATICAS DE ADORAÇÃO SUBMISSA DOS LIDERES DA IGREJA FACE Á DITADURA E AO DITADOR JES.   A igreja católica angolana tem vindo a comportarem-se como na antiguidade nos fala a palavra de Deus em Apocalipse 3:17 centrada na praticidade ímpia da igreja de LAODICEIA, onde a prosperidade era de tal modo, que os sacerdotes esqueceram-se de todo do autor e consumador da nossa fé, o Senhor Cristo Jesus que convidava os sacerdotes e do povo daquela igreja convidando-os a abrir a porta para que Ele o Senhor ceasse com eles, e eles com Ele; mas todos eles, não mais ouviam Deus chamando-os, porque estava todos concentrados no estado de corrupção evidenciada por mamoom, o deus do dinheiro.
A IGREJA NÃO PODE CONTINUAR A BRINCAR ETERNAMENTE COM A VERDADE ESPIRITUAL DO POVO DE DEUS! Temos uma igreja defensora de princípios esfuziantemente paganizados, a chefia da igreja angolana é uma igreja esvaziada dos princípios que norteiam a doutrina cristã, ela é contundente em desvirtuar a verdade que doutrinam os princípios fundamentais do cristianismo, que se baseiam fundamentalmente na justiça, perdão e amor a Deus, ao próximo a nós mesmos. Falando do que se passou com a expulsão da ativista cristã torturada pelas autoridades do regime por si só demonstra a falta de Deus na vida do pároco da igreja católica da sagrada família.
SEGUNDO INFORMAÇÕES FEDIDIGNAS, A EXPULSÃO DA ATIVISTA CATOLICA SE DEVEU A TRÊS TELEFONEMAS FEITOS PELO PRELADO CONEGO APOLONEO AO SEU CONGENERE DA SAGRADA FAMILIA. A igreja católica é hoje uma instituição que a muito perdeu o objeto social para o que foi criada, hoje, a igreja católica não passa de uma instituição laconicamente submissa e por isso, está sem rumo e sem dignidade nenhuma para trabalhar pelos menos desfavorecidos e espezinhados pelo poder discriminatório de são José Eduardo dos Santos, o rei impostor de Angola e da igreja angolana. Como poderá merecer o respeito do povo crente uma instituição criada a priori para ajudar a suprir o sofrimento do povo. Porém, a igreja hoje incorre contra os objetivos que levaram Deus a criá-la as portas do inferno, e da qual, predisse que o inferno não prevaleceria sobre ela, essa é a verdade. A igreja católica é perversa, pois, deixou que o mundo de JES a administra-se, e na verdade a igreja de Deus não foi criada para que o mundo a administra-se e sim o contrario, é a igreja que deve governar o mundo e não o contrario. Como igreja católica pode estar submissa e completamente agachada aos pés do ditador titular do poder de um dos países mais corruptos e injustos da nossa era contemporânea!
  A IGREJA COTÓLICA E A IGREJA EVANGÉLICA, SOBRETUDO A IGREJA BRASILEIRA (IGREJA UNIVERSAL DO REINO DE DEUS), A MAIS DINHEIRISTA DO UNIVERSO CRISTÃO SEGUIDORA DA TEOLOGIA DA PROSPERIDADE, OBEDECENDO A VONTADE EXPRESSA DO TEOLOGO DA FEITIÇARIA EM DOUTRINADA SOB OS AUSPICIOS DETERMINADO PELO PRETO VELHO, O DITADOR SANGUINARIO JOSÉ EDUARDO DOS SANTOS. É verdadeira quando se fala a boca cheia que a direção da igreja católica e as demais igrejas ditas cristãs foram contagiadas pela corrupção no interior das suas chefias, não se entende a razão da igreja continuar sistemicamente submissa dobrada aos pés do ditador infame, que, a todos os níveis tem cometido todo tipo de violências e atrocidades contra o povo. Hoje a população angolana percebe melhor a inutilidade deveras disfuncional do papel que deveria ser assumido pela igreja para administrá-la com sabedoria e discernimento para entender as coisas que são daquelas que não são e, que nada representam para a igreja constituída por Deus através da pedra angular que nada mais é do que o próprio Cristo Jesus ressuscitado o Senhor de toda Gloria.
O SER HUMANO NÃO FOI CRIADO DE MANEIRA NENHUM PARA VENERAR NENHUM OUTRO SER HUMANO, E MUITO0 MENOS FOMOS CRIADOS PARA PADORAR NENHUM MORTAL COMO JOSÉ EDUARDO DOS SANTOS OU QUANQUER OUTRO DITADOR FACINORA COMO ELE.  Com toda autoridade a mim conferida por Deus como ministro da sua palavra, posso afirmar aos lideres católicos que em momento algum JES é digno de toda honra, de toda glórias de toda adoração; JES não é digno de toda honra poder e majestade nem merece da parte dos sacerdotes e do povo cristão qualquer referencia divina, pois, JES não passa de um simples mortal como qualquer outro ser humano. Quando uma instituição religiosa cujo objetivo é proteger e socorrer os mais desfavorecidos e ao invés disso se coloca de cócoras ao lado de um poder e fazer a sua vontade, até mesmo a de expulsar um membro da sua diocese, essa igreja caminha na contra mão de Deus e por isso não conseguirá mais esconder de ninguém os seus verdadeiros intentos, pois, ela está colocada do lado oposto ao dos desfavorecidos.
JESUS, O CRISTO DO DEUS VIVO É UM DEUS BOM E MESERICORDIOSO, O SEU REINO É JUSTIÇA, PERDÃO, VERDADE E SALVAÇÃO. De modo nenhum Deus na sua omnipotência, omnisciência, omnipresença não criaria nem enviaria pastores amorais e idolatras, sem saberia e ciência para conduzir o seu povo. Ninguém no seu perfeito juízo entende a razão e os motivos que levaram a maioria dos prelados católicos e evangélicos como o Luis Bimbi dentre outros, a bandearem-se para o reino de mamoom chefiado pelo seu sumo sacerdote em Angola, José Eduardo dos Santos. É pena, mas, é verdade que a igreja angolana não vive no centro da vontade de Deus por isso vive em desobediência total, pois, voluntariamente colocou-se do lado da injustiça.
AIGREJA CATÓLICA FOI DIABOLIZADA NA SUA GENEZE PELA VILEZA DO SUMO SACERDOTE DA CORRUPÇÃO jês E SÓ ASSIM SE JUSTIFICA QUE ELA EXPULSE DO SEU SEIO A MILITANTE DO ATIVISMO POLITICO LAURINDA GOUVEIA.  Não é menos verdade que as lideranças da igreja angolana estão reduzidas a nada pelo poder instituído, na verdade uma igreja que satisfaz a vontade de um tirano e do seu regime déspota obedecendo em tudo que o regime deseja da igreja, essa instituição religiosa não serve a Deus e muito menos pastoreia com civilidade as suas ovelhas. A igreja não pode de maneira nenhuma expulsar do seu seio uma cristã, nesse caso a jovem estudante universitária Laurinda Gouveia, apenas e só, porque a jovem mulher luta pela justiça no seu próprio país, isso torna-se relevante para a seriedade do prelado católico angolano conviver com a verdade divina. Uma igreja que se comporta como a Igreja da sagrada família é uma igreja infame dirigida por padres miseravelmente corruptos e inaptos para o verdadeiro sacerdócio; pois essa igreja é fria e morta. Na verdade uma igreja com esse diapasão é incomensuravelmente vergonhosa. Em momento nenhum se consideraria essa igreja como sendo de Deus, elas não pode provir da vontade explicita de Deus nem os sacerdotes que nela servem foram por Eles enviados.
A MALDADE, ACORRUPÇÃO, O NEPOTISMO, A FALTA DE AMOR E O DINHEIRISMO, ENTRARAM SURRATEIRAMENTE NO INTERIOR DA IGREJA ANGOLANA PELA MÃO JES E LÁ PERMANECE. O que a bíblia nos diz não é uma verdade efêmera, a palavra santa é viva e santa, e ela nos afirma; quando nos diz, muitos são chamados, mas poucos são os escolhidos, assim é, e assim será segundo a vontade expressa do Deus a quem temerosamente com amor sirvo. A DEUS toda Honra, toda gloria e majestade. A JES apenas a prisão o aguarda, tanto a terrena quanto a prisão espiritual o aguarda para todo sempre e eternamente, caso não venha arrepender-se oportunamente dos seus maus caminhos em respeito à longanimidade de Deus para sair da vil servidão venenosa do astuto diabo, a quem reverencia como se de um deus se tratasse. JES ao longo do seu atribulado consolado de mais de trinta e seis anos tem adorado audaciosamente lúcifer, sem temer a Deus! É verdade que JES, sua família e companheiro de fé têm idolatrado satanás sem qualquer medo, e a quem recorrem despudoradamente invocando-o através de demônios incorporados em humanos feitos cavalos para possessão, e ali realizam com veemência pactos de sangue onde suplicam poder e riqueza ao deus morto, vulgo (diabo) em desfavor dos filhos do Deus vivo e verdadeiro, buscando igualmente a submissão da igreja mundana e de toda a criação humana angolana e não só.

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

O aumento dos protestos xenófobos e islamófobos inquieta a Alemanha





Cerca de 15.000 pessoas protestam contra os muçulmanos na cidade de Dresden

Luis Doncel. Dresden

Famílias com filhos adolescentes. Casais de aposentados. Grupos de amigos recém-saídos do trabalho. Esse era o perfil mais comum dos 15.000 manifestantes, segundo a polícia, que pela nona semana consecutiva saíram nesta segunda-feira às ruas de Dresden, no leste da Alemanha, para protestar pelo que consideram generosidade para com os refugiados, abusos do Estado do bem-estar por parte dos imigrantes e, enfim, pelo que a seus olhos é uma evidente ameaça à civilização europeia e cristã. Um ou outro jovem robusto com a cabeça raspada poderia lembrar o protótipo do participante de uma manifestação de extrema direita, mas eram uma esmagadora minoria. Todos eles integram o Pegida (acrônimo de Patriotas Europeus Contra a Islamização do Ocidente), o movimento que parece surgido do nada e que inquieta uma grande parte do país.
O que começou como um protesto com umas poucas centenas de pessoas derivou para um problema político de primeira magnitude. A chanceler Angela Merkel confessou que observa esse movimento com preocupação máxima. “Na Alemanha há liberdade de manifestação, mas não há lugar para campanhas de difamação e calúnias contra o que vêm de outros países”, disse nesta segunda-feira. O presidente da República, Joachim Gauck, qualificou os participantes de “extremistas”; e o ministro da Justiça, o social-democrata Heiko Maas, de “vergonha para a Alemanha”. Ambos foram alvo de vaias quando a oradora pronunciou seus nomes.
“Somos o povo. Somos o povo”. Os manifestantes interrompem o discurso dos organizadores. Repetem o lema que se tornou famoso há 25 anos, quando os alemães do Leste saíram às ruas para acabar com a ditadura da RDA. As manifestações se realizam às segundas-feiras, como as que começaram em Leipzig em setembro de 1989 e conseguiriam em poucos meses derrubar o Muro de Berlim e reunificar o país. A situação agora é muito diferente, mas para muitos é tão crítica como na época. Na Saxônia, o Estado do qual Dresden é a capital, os estrangeiros são apenas 2,2% da população. E os muçulmanos tão somente 0,1%. Mas esses dados não fazem os ligados ao Pegida desistirem de suas ideias. “Não queremos chegar à situação de outras cidades da Alemanha, onde se instaurou uma polícia da sharia”, diz uma garota, referindo-se a um fato ocorrido recentemente em Wuppertal.
“Aqui temos aposentados que recebem 670 euros e depois de pagar o aluguel ficam praticamente sem nada. Crianças que vão a jardins de infância em contêineres. Sinto muito, mas precisamos do dinheiro para nós. A Alemanha não pode salvar todo o mundo”, diz um homem que prefere manter-se no anonimato. “Escreva apenas que eu sou um cidadão de Dresden.” Os jornalistas não são muito queridos aqui. “Imprensa mentirosa” é um dos gritos mais repetidos em coro. “Trabalha para um jornal espanhol? Com certeza vocês não mentem tanto como os alemães”, diz um participante.
O Pegida se estendeu para outros lugares do país, que jogam com as iniciais de cada cidade onde a manifestação é convocada para trocar o nome do protesto: Dügida em Düsseldorf, Kassida em Kassel... Todos elas com muito menos êxito do que em Dresden. A classe política alemã se mostra desconcertada ante um fenômeno que ninguém previu e que ninguém sabe aonde pode acabar. O movimento não surgiu do partido eurofóbico Alternativa para a Alemanha (AfD), mas alguns de seus líderes já entraram na onda e dizem que compartilham os princípios dos manifestantes. Apesar de todos os partidos tradicionais rejeitarem o novo movimento, há diferenças na forma de abordá-lo. Alguns líderes, com receio de perder votos nos rincões mais conservadores, insistem em diferenciar entre a xenofobia dos instigadores do Pegida e os cidadãos de boa-fé que participam das manifestação por seus medos. “É um erro fazer essas distinções. Quando os parceiros bávaros de Merkel dizem que os imigrantes têm de falar alemão em casa estão fazendo uma campanha gratuita para o AfD e o Pegida”, dizia o líder de Os Verdes, Cem Özdemir, na tarde desta segunda-feira a este jornal, no trem que o levava de Berlim a Dresden. Ali ele participou da contramanifestação organizada por aqueles que acreditam em uma Alemanha multicolorida onde caibam todos. O protesto reuniu 6.500 pessoas.
Pois à guerra pelas ideias se seguiu a guerra das cifras. No domingo, 15.000 cidadãos saíram às ruas em Colônia para dizer que os imigrantes e refugiados são bem-vindos. Os defensores de imigrantes que marcharam nesta segunda-feira em Dresden eram ostensivamente menos numerosos que os do Pegida. Dezenas de carros de polícia separavam uns dos outros. Essa escalada de manifestações e contramanifestações desenha um inquietante panorama de polarização nas ruas alemãs. “Há um problema de fundo. Não há uma discussão aberta sobre como abordar a imigração e isso deixa frestas das quais se aproveitam os extremistas”, garante Werner Patzelt, do Instituto de Ciências Políticas de Dresden.
O criador e líder do Pegida é Lutz Bachmann, um obscuro personagem que teve problemas com a justiça por tráfico de drogas, roubo e violência. Nada disso parece inquietar os homens e mulheres que nesta segunda-feira mostraram sua irritação em Dresden. “Não somos extremistas nem ultraconservadores. Tudo o que queremos é conservar a identidade alemã”, clamavam do palco enquanto os participantes respondiam: “Somos o povo. Somos o povo”.
Imagem: Manifestantes xenófobos em Dresden com um cartaz que diz: “Respeito e tolerância, também para nosso povo” / AFP