SOS MATANÇA no banco millennium Angola do forno crematório nazi. Correr e fechar portas e janelas porque vem aí terríveis toneladas de fumo do gerador da morte horrível da engenharia criminosa dos tugas que tudo fazem para nos exterminarem para que consigam empregos. As crianças bebés morrem cancerosas dos pulmões porque o ordens superiores o ordenou. Em Luanda sem matar não se pode facturar. Os tugas têm que nos matar em todos os apartamentos nos gasear. É na rua rei Katyavala em frente à Angop

sábado, 27 de Setembro de 2014

Banco millennium Angola. “Escolham outro banco.”






Aviso: Millennium Angola.
Deixo aqui um alerta a todos os possíveis novos (e actuais) clientes do Millennium.
Quando cheguei a Angola e tive que abrir conta, escolhi-o por comodidade (perto do escritório) e por ser cliente há muito em Portugal.
Era tudo facilidades, conta em dolares, em kwanzas, sem custos de manutenção etc.
Mais tarde começaram a debitar custos de manutenção na conta US. Rápidamente a fechei.
Agora precisei de comprar dolares....nada. Dizem que não vendem a não residentes, mesmo com comprovativo de viagem e visto nos trinques.
Escolham outro banco.
 Infelizmente não é um problema exclusivo do Millennium Angola, é um problema da banca.
 no BFA ainda há 15 dias atrás precisei de viajar e arranjaram-me a moeda estrangeira que solicitei (foram euros que pedi).........grande BFA = BPI
 A legislação Angolana não permite aos bancos vender dólares aos não residentes cambiais, i.e. aos estrangeiros que aqui vivem com base num visto de trabalho. Só as casas de câmbio o podem fazer.
Os não residentes cambiais podem transferir a totalidade do seu ordenado para o exterior a partir do banco onde têm esse mesmo ordenado domiciliado mas não é permitido aos bancos comerciais entregar notas ao balcão a esse tipo de clientes. Só os residentes cambiais podem comprar moeda nos balcões dos bancos comerciais mediante a apresentação do bilhete de avião.
Ricardo Ribeiro, das duas uma: ou o Ricardo está cá a viver sem necessidade de visto de trabalho ou o BFA não cumpriu a legislação ao entregar-lhe moeda estrangeira em notas.
Jorge Fernandes, não é um problema da banca. Tem a ver com a legislação do país. A intenção do Banco Central é a de não permitir aos estrangeiros que comprem moeda estrangeira aos bancos. Podem, contudo, transferir livremente o seu ordenado em kwanzas para o exterior, recebendo euros em Portugal.
Sempre tive o BPI = BFA em Angola como um banco dos mais sérios e cumpridores das leis bancárias.........conheço muita gente a fazer o mesmo que eu e tem conta no Banco BAI e tb levantaram dinheiro para ir de férias com o bilhete do avião
Ricardo, se for residente cambial essa operação é permitida. A inibição só existe para os não residentes cambiais.
 Em resumo, o post do António Soares é injusto para o banco em questão. É como se afirmasse: "Mudem de banco porque o Millennium cumpre as leis cambiais de Angola!"
Mas isso de poder trasferir livremente o ordenado nao é bem assim !
O que os bancos lhe têm dito?
 Só 60% do ordenado , segundo o que me têm dito!
 Olhe Paulo ando por Angola desde Set de 1991, ai poucos tinham (#), sabemos o que para vir para cá, neste momento isto, nem sei se vale a pena.....
O que pode acontecer é outra coisa. Os bancos para poderem transferir tudo o que os clientes pedem têm que efectuar operações cambiais com alguém que venda moeda estrangeira aos bancos. Pode acontecer que não tenham a totalidade dos dólares ou euros que permita responder a 100% todos os clientes. Poderão por isso limitar por razões comerciais por forma a poder servir mais clientes, limitando em percentagem o que cada cliente pode transferir. Contudo, essa é uma limitação de cariz comercial e não legal, variando de banco para banco.
 Apresente queixa ao Regulador, o Banco Nacional de Angola. Pode fazê-lo através do site do BNA.
 No BFA nunca tive problemas de adquirir dólares...na boa! Em tempos tive conta no Millenium e na hora da verdade...nada!
Que lei é essa que impede os não residentes cambiais de comprarem moeda estrangeira???? Será o Aviso 13/13 de 6 de......setembro (se não estou errado). do BNA? Eu nunca tive problemas no BAI ou BFA, a não ser a falta de valores pretendidos. (sou Não Residente Cambial), tive de entregar o contrato de trabalho, os recibos de ordenado, bilhete de passagem, etc etc etc (no BAI)
O problema não é do banco... Transferires dinheiro de banco para banco não há problema... Agora adquirir divisas ( dólares ou euros ) no balcão já não da... Devem ser poucos os bancos que fazem isso agora... Penso que foi em Agosto deste ano que saiu uma normativa do bna a proibir não residentes de levantarem moeda estrangeira nos balcões...
Tinha o visa do millenium clonaram o meu cartao gastaram 9000usd e dizem que nao me devolvem e temho seguro do cartao é uma teeta de banco
 há dois anos no Banco Sol, tive o mesmo problema num multicaixa do BFA de S.Paulo , o cartão fica retido, dois dias depois vou a Banco Sol, para solicitar novo cartão, quando vou consultar a conta, fiquei deskwanzalizado, 450 000 Kz , levantamentos no Casino Plury Jogos do Morro Bento, só não conseguiram levantar na conta dos dólares... Procurei respostas tanto no BFA e no Banco Sol , ninguém sabe de nada, ninguém viu nada , o gerente do BFA só me disse == ÁHH AS VEZES ACONTECE ««
Portugueses em Angola. Facebook
Imagem: altohama.blogspot.com


Eu e os bancos... em Angola





Hoje pela manhã estive a tratar alguns assuntos complexos com algum banco aqui, e fiquei admirado (pela positiva) o profissionalismo e a confidencialidade com que os profissionais da banca tratam o cliente. No final da reunião - já a hora do almoço ia avançada - sai daquela instituição bancária satisfeito porque grande parte dos assuntos tratados tiveram resultados positivos.
Infelizmente não tenho tido a mesma sorte quando estou num instituto bancário em Angola. O cliente (pelo menos eu) sou tratado como se de favores fosse pedir aos bancos, mesmo sabendo que o dinheiro não é do banco, mas do cliente.
É óbvio: os bancos em Angola (tudo em minúsculo) reflectem também o estado doentio e lerdo do pais, onde o mérito e a competência não são requisitos de base, mas estes são substituídos maliciosamente pelo compadrio e pela promiscuidade.
Agora, sempre que vou ao banco, em Angola, procuro rezar e me fazer abençoar...


sábado, 13 de Setembro de 2014

Presos de Rikers Island alvo de violência excessiva





Os adolescentes detidos na prisão de Rikers Island, em Nova Iorque, são sujeitos a uma "força excessiva" e os seus direitos consagrados na Constituição norte-americana são violados, revela uma investigação dos procuradores de Manhattan.

http://www.jn.pt

A investigação, realizada entre 2011 e 2013, concluiu que os adolescentes não são protegidos de maneira adequada contra a violência física, "inútil e excessiva", cometida pelos guardas prisionais e pelos outros detidos, adianta o Ministério da Justiça, em comunicado.
"Como a nossa investigação demonstrou, para os adolescentes, Rikers Island é uma instituição defeituosa. É um lugar onde a força bruta é o primeiro impulso, em vez de ser o último recurso", criticou o procurador federal de Manhattan, Preet Bharar.
Para o ministro da Justiça norte-americano, Eric Holder, esses excessos "são inaceitáveis".
Rikers Island é a principal prisão de Nova Iorque e tem cerca de 12300 reclusos.
Renato Seabra esteve temporariamente detido em Rikers Island, tendo depois sido transferido para uma instituição de correção federal (Clinton Correctional Facility) para cumprir 25 anos de prisão pela morte de Carlos Castro.

http://www.jn.pt/PaginaInicial/Mundo/Interior.aspx?content_id=4064193

segunda-feira, 1 de Setembro de 2014

A universidade Kimpa Vita, (no Uíge) é mais uma cantina





Será Verdade ???
A UNIVERSIDADE KIMPA VITA (no Uíge) transformou-se num
estabelecimento comercial dos Professores (Congo-Angola), ou seja, é mais uma cantina.
Os professores "estão a vender notas aos estudantes" a "preços" que vão de 20.000 Kz a 25.000 Akz por cadeira.
Até mesmo estudantes-fantasma, aparecem nas pautas com notas de 18,17,16 e 15 valores...
É assim que me pergunto (mais uma vez) se devo rir ou chorar.

Nuno Alvaro Dala.  Facebook

quinta-feira, 28 de Agosto de 2014

Luanda. Racismo no banco BIC





Lisboa –  O Banco Internacional de Crédito (BIC) tem enfrentando ondas de protestos internos que resultam da política de maus salários e outras práticas de discriminação   algumas vezes precipitadas pelo próprio Presidente do Conselho de Administração, o português Fernando Mendes Teles. O referido Banco é também conotado a práticas de promoção ao  racismo.

Fonte: Club-k.net

Maus salários causam protesto e sanções
Há poucos dias atrás, os funcionários do departamento de “Doi cartões”, insatisfeitos com os salários, tiveram a iniciativa de fazer um abaixo assinado, com perspectiva de verem os seus salários serem melhorados.  
Um  dos funcionários da referida área,  fez chegar ao PCA  Fernando Teles, o email .  Em reação, o PCA convocou para uma reunião o responsável da referida área, Cismeiro Silva Lopes tendo o abordado “com maus modos,  arrogância, faltas de respeito e ameaças e muito mais” conforme discrição de uma fonte, ao ponto da gritaria sair porta fora.
No decorrer da reunião, Cismeiro Silva Lopes  revelou-se farto da situação e  se enervou  respondendo o PCA. Como consequência, o funcionário acabou sendo penalizado. Ele  que era, a data,  o chefe de departamento da referida área (de “Doi cartões”), foi rebaixado a gestor de contas, tendo sido transferido para um dos balcões da cidade distante da sua moradia (cidade do Kilamba).
Uma fonte interna lamentou a conduta do PCA  realçando que “o Dr. Teles, tem que ter muita calma, ele é taberneiro arrogante, e tem estado a faltar com respeito a muitos funcionários angolanos.”
Fernando Mendes  Teles, o PCA é um gestor português da confiança de Isabel dos Santos mas que se tem prejudicado com a reputação de racista e outras praticas associadas ao nepotismo. Acusam-lhe, por exemplo de ter retirado alguns “negros” que faziam parte da direção do Banco em favor de expatriados que tem estado a recrutar a partir de Portugal.  
Sobre as praticas de nepotismo, é dado como exemplo o caso do seu filho, Hugo Teles que fora promovido a administrador executivo respondendo pela Direção de empresas/ Private/ departamento de óleo e gás.