terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

A quem interessava a morte de Euridce?, questiona Jornal Angolense


Luanda - Perguntas que não se querem calar, como foi possível um indivíduo sem usar ao menos um silencioso no revólver matou uma indefesa mulher em plena hasta pública e sumiu sem deixar qualquer rasto? Quem é o executor? Existe um mandante? A quem interessava a morte de Euridce Cândido? As respostas de tais pergunta sou poderão ser dadas pelos peritos da DNIC, mas será que responderam? É outra grande interrogação

*Maria Japa. Fonte: Angolense. Club-k.net

De interrogações em interrogações, a verdade é que, na sexta-feira, 28, por volta das 19:30, na rua Frederic Welvitch, aos Combatente, Euridce Cândido, a vítima de 30 anos ou simplesmente Dódó, como era carinhosamente tratada pelos mais próximo, chegava a casa trajada de um fato de treino cor-de-rosa, ténis de marca Nike, ao volante da sua viatura Mercedes, modelo 350 ML, cor preta, com a chapa de matrícula LD-54-20-CR, vindo do ginásio Clube Náutico, sito na Ilha de Luanda.

Na entrada do prédio denominado da Chick Chick, parou o carro no parque defronte a uma roulotte, onde comercializa-se hamburguês, cervejas e refrigerante, normalmente recheada de pessoas, que, para garantir segurança aos clientes, possui um holofote, além que era comum naquele local ver policiais em serviço de giro, tanto apeados como em viaturas, o que naquele dia não aconteceu curiosamente.

Parou a viatura, desceu, dirigia-se até a porta de trás para abrir e retirar uma sacola no banco traseiro, neste mesmo instante foi surpreendida pelo seu algoz que mas não fez senão bem junto dela e frontal, encostou o cano do revólver na cabeça e disparou fatalmente contra aquela indefesa mulher.

Caiu inanimada, o seu algoz subiu numa motorizada, em companhia de um comparsa que já o aguardava com o motor ligado, de seguida ambos sumiram sem deixar qualquer rasto.

Conheça o percurso do assassinato
Segundo fontes policiais Euridce Cândido, a vítima, já estava a ser perseguida a partir do ginásio, pois ao que conseguiram apurar, a mesma era uma constante sair do serviço e ir imediatamente ao ginásio e sou assim regressar a casa, entretanto, naquele dia não foi diferente.

Os meliantes conheciam bem o seu percurso, isso é, casa, serviço, ginásio e casa, sabe-se que ao sair do Ginásio do Clube Náutico, por volta das 19 horas, a mesma a partir do visor da viatura apercebeu que estava ser perseguida por dois indivíduos de uma motorizada, ao longo que acelerava a marcha os mesmos também o faziam.

Entretanto, diz a nossa fonte, Euridce naquela altura ligou para o celular da irmã que estava em casa a pedir que a mesma descesse, porque estava ser perseguida por dois indivíduos de uma motorizada, o que poderia ir até a uma esquadra próxima pedir auxilio, mas antes como tinha uma sacola no interior da viatura pretendia deixar numa paragem que esperava ser breve, mas ao que parece nem lhe foi dado tempo.

As pessoas que na altura se encontravam no local disseram não se aperceber de nenhum movimento estranho, porque quando a mesma foi atingida, a julgar pelo barulho do projéctil numa primeira fase presumiu-se que foi um pneu que estoirou, mas quando viram ao redor foi sim, um tiro certeiro que vitimou a vizinha do 3° andar.

Os supostos executores não deixaram qualquer rasto visível no local, entretanto, os efectivos Policial afeto a Investigação Criminal, que além de removerem o cadáver do local levaram também a viatura, o telemóvel da vítima e outros haveres que se fazia acompanhar e poderiam servir para chegar até aos presumíveis autores.

Este jornal apurou de uma fonte ligada a investigação que já conseguiram encontrar o invólucro da arma disparada que possivelmente pertence a uma pistola do tipo Makarov, curiosamente o mesmo tipo de arma usada pela polícia, mas que a nossa fonte ignorou este pormenor porque acredita que a julgar pelo histórico do país qualquer um pode ter uma arma daquele tipo.

Apurou-se ainda que não foi retirado nada do interior da viatura, assim como, por outro lado, não conseguiram apurar a impressão digital porque a mesma até altura em que os especialistas chegaram ao local do crime, a viatura já tinha sido tocada por várias pessoas o local também já tinha sido invadido por curiosos, o que dificultou apurar com precisão as impressões digitais.

Para os familiares Governador de Luanda é o possível mandante
A polícia que já abriu um processo com o número 699/011-IG não descarta qualquer das possibilidade inclusive uma tentativa de assalto ou roubo de viatura, mas neste período começou por notificar as pessoas que telefonaram para a vítima naquela sexta-feira, 28.

A mesma fonte policial disse também que na perícia realizada ao telefone da vítima encontraram várias mensagens ameaçadoras de várias pessoas dentre as quais de várias mulheres como por exemplo Dona Teresa, (esposa do Governador) e Indira Bobola, (uma das amantes do governador, com a qual tem um filho), supostamente suas rivais, assim como de alguns marmanjos sobre os seus conteúdos preferiu omitir para não deturpar as investigações.

A nossa fonte analisando o possível autor do disparo que vitimou Euridce disse tratar-se de um indivíduo mas alto em relação a vítima pois o disparo foi efectuado por cima da cabeça da mesma, assim como pode ser também conhecido e sou por isso ela não reagiu, no sentido de gritar ou clamar por socorro, “das duas, uma: ou ele era conhecido dela, ou o mesmo é alguém com vasta experiencia militar”. Vaticinou para acrescentar “quem age como ele não é qualquer bandido”.

A mesma fonte numa espécie de preocupação disse o caso ser bastante bicudo e se não aparecer os executores do crime a dizerem quem os mandou “o caso pode ficar em nada, em tribunal uma coisa é ameaça e outra são os factos que não têm o mesmo peso jurídico”.

Se por um lado os investigadores têm duvidas por outro lado já os familiares não, pois ouvidos garantiram que acerca de seis anos atrás que a vítima começou a namorar com o actual Governador de Luanda, José Maria dos Santos, que resultou o nascimento de uma menina que hoje tem dois anos de vida.

Recordam que em 2009 no primeiro aniversário da filha da malograda, realizado num dos restaurantes de luxo da Capital de Luanda, a esposa do Governador chegou a festa mesmo sem ser convida e armou a maior confusão, assim como fez várias ameaças e o pior sou não aconteceu graça a intervenção de alguns policiais presentes.

Por este e outros casos, a vítima tivera realizado duas queixa -crime contra uma terceira mulher do então pai de sua filha que, além de ameaça-la de morte, agrediu-a várias vezes, assim como inclusive já partiu os vidros do seu carro.

Até antes da sua morte o processo já tinha saído da Direcção Nacional de Investigação Criminal (DNIC) e tramitado para o Tribunal Provincial de Luanda Dona Joaquina, onde acerca de um ano aguardava por julgamento, mas ao que parece dada a tardia da justiça Euridce Cândido morreu e a justiça não conseguiu garanti-la a protecção que procurava.

Dizem também os familiares que como consequência das constantes brigas com Dona Teresa esposa e Indira Bobola, a mesma preferiu terminar com a relação. Entretanto, ao que tudo indica, se mal pensou pior o fez, pois contam os familiares a caminho de um ano o ex. marido não a deixava em paz e fazia ameaças constantes uma das quais como por exemplo “se não ficar comigo, não ficas com mas ninguém”. Recordaram os familiares.

Curioso é que, o pai da filha que outro ora era visto constantemente a procura da mesma, nestes dias jamais foi visto na defunção para ao menos prestar solidariedade a família enlutada.

Euridce Cândido, 30 anos de idade, os seus restos mortais já descansam em paz desde terça-feira, 02, no Cemitério Altos das Cruzes, era técnica superior de Gestão de Empresas, funcionaria no Banco de Fomento de Angola (BFA), na Direcção de Créditos a Particulares e Negócios, a mesma deixou órfão uma criança de dois anos de idade.

Caracterizada pelos familiares e amigos como sendo bastante batalhadora, persistente quando quer alcançar algo, amiga dos amigos, divertida e bastante solidária, para a sua família era uma espécie de abono familiar.

Quim Ribeiro entre os suspeitos, mas familiares recusam seu envolvimento no assassinato
Rumores postos a circular dão conta que Joaquim Vieira Ribeiro estará também por de trás do assassinato de Euridce Cândido, alegando que a mesma era sua amante e gestora das suas contas bancária no BFA, onde realizou várias transacções bancárias que se presume que seriam valores concernente ao caso BNA em que, aquele antigo Comandante de Luanda está responder um processo-crime de desvio.

Contactado por telefone na terça-feira, 01, o Comissário Joaquim Vieira Ribeiro, colocado a situação estupefacto disse “nunca conheci a senhora que foi morta e jamais foi minha amante ou gestora no BFA, pois a minha gestora há mais de 15 anos chama-se doutora Lourdes Rasgado”. E mais não disse.

Por outro lado, Leandro Cândido, irmão mais novo da vítima, também contactado por telefone, jurou de pés junto que Joaquim Vieira Ribeiro não conhecia a sua irmã e justificou-se “ o único contacto que tivemos com o senhor Quim Ribeiro foi por telefone e por intermédio do Zé Maria que, lhe ligou a partir do Kuando Kubango para agilizar a retirada da viatura da minha irmã que tinha sido rebocada pelos fiscais por lavar na rua”.

E mais: “Fui eu quem foi buscar a viatura no parque o senhor Quim Ribeiro fez tudo a partir do telefone e jamais se encontrou com a minha irmã, portanto, tudo que estão a dizer é mentira, é sou mais uma forma de desviarem as atenções ao verdadeiro assassino e pretendem prejudicar alguém que já está cheio de problemas, por outro lado, na área em que a minha irmã trabalhava não tinha contacto com nenhuma conta, pois isso era impossível.

Analisando a forma cruel e covarde com que misteriosamente foi assassinada na porta de casa com um tiro mortal na cabeça, a jovem Euridce Cândido, por um lado, representa bem a voracidade do seu executor, ao mesmo tempo do seu suposto mandante, por outro, coloca a nu o estado de vulnerabilidade em que todos os cidadãos se encontram sujeito com a predominante onda de violência e assustadora falta de segurança que grassa por Luanda fora.

Para muita gente este assassinato mostra o quão é urgente a necessidade de colocar um Comandante Provincial de Luanda competente, assim como um Director Provincial de Investigação Criminal, para fazer fase nesta onda de criminalidade que cresce a cada dia pelo.

Esta também patente que tanto Elizabeth Ranck Franque (Bety), actual comandante interina que, ao invés de se preocupar em criar ideias para combater a criminalidade, esta mas preocupada em criar livros de ponto para os policias, simplesmente incrível, assim como Issac de Assunção, actual director interino da DPIC que era um dos nomes muito falado de envolvimento do “Caso Frescura” não é a pessoa certa para dirigir aquele importante órgão da polícia que precisa de pessoas uma imagem imaculada.