Em Angola julgam-se presos políticos acusados de nenhum crime. Dizem que é um regime democrático que está em pleno gozo das suas funções. A corrupção está no pódio como grande vencedora. A miséria e a fome também. As potências democráticas fecham os olhos e apontam que assim é que é bom, que assim é que se faz a estabilidade em África. Eis a receita do terrorismo do qual a Europa não se consegue desenvencilhar. Quem apoia a corrupção e as suas ditaduras, no fundo também é terrorista sem o saber.

sábado, 27 de setembro de 2014

Eu e os bancos... em Angola





Hoje pela manhã estive a tratar alguns assuntos complexos com algum banco aqui, e fiquei admirado (pela positiva) o profissionalismo e a confidencialidade com que os profissionais da banca tratam o cliente. No final da reunião - já a hora do almoço ia avançada - sai daquela instituição bancária satisfeito porque grande parte dos assuntos tratados tiveram resultados positivos.
Infelizmente não tenho tido a mesma sorte quando estou num instituto bancário em Angola. O cliente (pelo menos eu) sou tratado como se de favores fosse pedir aos bancos, mesmo sabendo que o dinheiro não é do banco, mas do cliente.
É óbvio: os bancos em Angola (tudo em minúsculo) reflectem também o estado doentio e lerdo do pais, onde o mérito e a competência não são requisitos de base, mas estes são substituídos maliciosamente pelo compadrio e pela promiscuidade.
Agora, sempre que vou ao banco, em Angola, procuro rezar e me fazer abençoar...