Em Angola julgam-se presos políticos acusados de nenhum crime. Dizem que é um regime democrático que está em pleno gozo das suas funções. A corrupção está no pódio como grande vencedora. A miséria e a fome também. As potências democráticas fecham os olhos e apontam que assim é que é bom, que assim é que se faz a estabilidade em África. Eis a receita do terrorismo do qual a Europa não se consegue desenvencilhar. Quem apoia a corrupção e as suas ditaduras, no fundo também é terrorista sem o saber.

terça-feira, 16 de julho de 2013

Polícia apresenta suposta assassina da ex-bancária do Banco Millennium




Luanda - O comando provincial de Luanda da Policia Nacional apresentou  (terça-feira) à imprensa a presumível autora do homicídio que vitimou a ex-gerente do Banco Millennium, Barbara Marise Menezes de Sá Nogueira, ocorrido no passado mês de Maio.
Fonte: Angop
Segundo o porta-voz do comando provincial de Luanda da Policia Nacional, superintendente Orlando Bernardo, Judith Maria Graça da Silva, de 39 anos de idade, amiga da vítima, atraiu-a na data dos factos a um apartamento de sua pertença, nas imediações da Feira Internacional de Luanda (FILD).

Depois de um alegado desentendimento entre ambas, adianta a fonte, esta a agrediu utilizando uma faca de cozinha com a qual desferiu vários golpes e depois de confirmar a sua morte, manteve o cadáver estatelado na sala e retirou-se para a residência onde vive, na rua Marien Nguaby, na Maianga.

A suposta autora, acrescenta, regressou ao local do crime apenas na manhã do dia seguinte e colocou o cadáver numa mala e de seguida chamou um suposto taxista e com auxílio deste colocaram a mala numa viatura, levando-o para a área do kikuxi, numa quinta.

O porta-voz referir que também está detido o taxista, Ângelo Francisco Felizardo Lopes, que a auxiliou neste hediondo crime, informou o oficial.

A acusada recusou responder as perguntas dos jornalistas na ausência do seu advogado. O comando provincial de Luanda prossegue com diligencias visando o esclarecimento total dos factos