Em Angola julgam-se presos políticos acusados de nenhum crime. Dizem que é um regime democrático que está em pleno gozo das suas funções. A corrupção está no pódio como grande vencedora. A miséria e a fome também. As potências democráticas fecham os olhos e apontam que assim é que é bom, que assim é que se faz a estabilidade em África. Eis a receita do terrorismo do qual a Europa não se consegue desenvencilhar. Quem apoia a corrupção e as suas ditaduras, no fundo também é terrorista sem o saber.

terça-feira, 8 de abril de 2014

Luanda. SOS UNICEF. 08 de Abril de 2014. O banco millennium Angola não desiste da matança






O fumo dos geradores é mortal, nas crianças é altamente criminoso, passível de uma espécie de Julgamento de Nuremberga. Há quatro dias – há muitos anos - que o coreano do norte banco millennium Angola na rua rei Katyavala em Luanda, prossegue – com o apoio do seu sócio Sonangol -  com a sua matança habitual. Instalou um super gerador nas traseiras de um prédio e os seus moradores estão impedidos de respirar… respiram a morte dia e noite. Além do barulho, também dia e noite, claro, que nos impede de dormir, descansar em paz. A tal paz dos nossos arquitectos que tal como os edifícios chineses desaba. Espoliou o terreno à marxismo-leninismo, não lhe pertence. O que é que lhe pertence? A corrupção!
No seu enunciado, a lei do petróleo diz que as populações devem ser chacinadas à Ruanda, para que não existam empecilhos nas suas actividades mortíferas.
E o banco millennium Angola aplica a lei com todo o rigor. Matar! Matar! MATAR-NOS!
Luanda é uma colónia de caça, onde a principal actividade dos bancos dos brancos é caçarem mwangolés, para depois triunfalmente os apresentarem como troféus de caça. A prova de que estiveram em Angola e lá deixaram, abandonaram os filhos à sua sorte, sem pais!