Em Angola julgam-se presos políticos acusados de nenhum crime. Dizem que é um regime democrático que está em pleno gozo das suas funções. A corrupção está no pódio como grande vencedora. A miséria e a fome também. As potências democráticas fecham os olhos e apontam que assim é que é bom, que assim é que se faz a estabilidade em África. Eis a receita do terrorismo do qual a Europa não se consegue desenvencilhar. Quem apoia a corrupção e as suas ditaduras, no fundo também é terrorista sem o saber.

quarta-feira, 20 de março de 2013

Igreja católica angolana reage vigorosamente à UNITA


O líder da UNITA acusou sábado último a igreja católica e outras denominações religiosas de terem sido corrompidas pelo executivo.
Coque Mukuta VOA
A igreja católica reagiu hoje com “preocupação e estranheza” às recentes declarações do presidente da UNITA, Isaías Samakuva, num discurso proferido nas jornadas parlamentares do maior partido da oposição angolana que decorreram na cidade de Menongue.
O líder da UNITA acusou sábado último a igreja católica e outras denominações religiosas de terem sido corrompidas pelo executivo.
Isaías Samakuva afirmou em Menongue no encerramento das jornadas parlamentares do seu partido que “até os bispos, pastores e outras entidades religiosas que deviam ser um exemplo de moral têm sido um sinal claro de degradação de valores da sociedade e não procuram inteirar-se dos factos apresentados pela UNITA”.
A nota da igreja católica realça também que “não é missão da igreja opinar sobre as disputas políticas dos partidos, nem advogar as suas causas, porém, é imperativo, para os pastores da Igreja, exprimir-se diante da degradação da linguagem que fere a paz e a reconciliação entre angolanos”.
Ainda segundo a nota dos bispos angolanos: “as declarações do presidente da UNITA são despropositadas, injuriosas e caluniosas e violam e ferem o decoro institucional e o bom nome da igreja em Angola.