Em Angola julgam-se presos políticos acusados de nenhum crime. Dizem que é um regime democrático que está em pleno gozo das suas funções. A corrupção está no pódio como grande vencedora. A miséria e a fome também. As potências democráticas fecham os olhos e apontam que assim é que é bom, que assim é que se faz a estabilidade em África. Eis a receita do terrorismo do qual a Europa não se consegue desenvencilhar. Quem apoia a corrupção e as suas ditaduras, no fundo também é terrorista sem o saber.

sábado, 22 de março de 2014

Luanda. Banco BFA e os quarenta milhõers de kwanzas de um cliente




Um cliente deste banco, que viu a sua conta «alivia­da» em cerca de 40 milhões de Kwanzas, aguarda há quase dois meses que o BFA lhe preste esclarecimentos de como o seu dinheiro sumiu, jurando a pés juntos que não mexeu na «massa» e que há mais de dois anos não faz uso do multicaixa. Estranha­mente, a direcção do BFA, ao invés de contribuir para a descoberta do crime, parece mais inclinada a «baralhar as contas» do cliente, pois só assim se justifica a forma como ela confrontou o su­posto lesado com imagens do de fotocópias toscas obtidas a partir das câmaras de vídeo. Este caso carece de investi­gação policial, já que parecer existir um gato escondido com o rabo de fora.
Semanário Angolense edição 557 de 22 de Março de 2014