sábado, 22 de março de 2014

Simas lembra Portugal sempre que entra na Casa Branca


por Lusa, publicado por Helena Tecedeiro
O lusodescendente David Simas, de 43 anos, que lidera o Gabinete de Estratégia Política da Casa Branca, assegurou à Lusa que entrar todos os dias na Casa Branca constitui uma forma de recordar as origens portuguesas da sua família.

http://www.dn.pt

"Cada dia que entro aqui, na Casa Branca, é um momento de lembrança das raízes de emigrante, daquele sacrifício que a minha mãe e o meu pai fizeram por mim. Estou aqui por causa deles", disse em entrevista exclusiva à agência Lusa.
David é filho de António Simas, do Faial da Terra, São Miguel, Açores, e de Deolinda Matos Simas, de Abela, Alentejo. Os dois portugueses emigraram para Taunton, em Massachusetts, nos anos 1960.
"Falo com a minha mãe e meu pai quase todos os dias. Quando recebi a informação da nova posição, falei com a minha mãe, o meu pai e a minha irmã para dar as notícias. É claro que eles estavam muito contentes. Os dois estavam preocupados que ia trabalhar muito e não comer muito. É uma coisa normal para pais", diz.
David Simas conta que a morte do seu avô açoriano, Manuel Pereira, aos 96 anos, em fevereiro deste ano, lhe trouxe muitas recordações.
"No funeral, em Massachusetts, em Taunton, estava pensando como ele começou a trabalhar como pedreiro em São Miguel e aqui estou eu, por causa do trabalho que ele fez, por causa do seu sacrifício, trabalhando para o Presidente dos Estados Unidos", lembrou David Simas.
O político, que tem uma irmã, Melissa, que apresentou o noticiário de um canal afiliado da NBC até 2012, diz que o percurso da sua família "é uma das razões porque este país é um país de oportunidades, um país de trabalho, em que qualquer pessoa pode fazer o que quer."
David Simas é licenciado em Ciência Política e Direito. Tornou-se conhecido na comunidade portuguesa ao exigir às companhias de televisão por cabo que incluíssem a RTP Internacional nos seus pacotes.
Já como advogado, tornou-se colunista de um jornal da comunidade e participou em programas de rádio.
Acabou por ser contratado para o Congresso de Massachusetts e, em 2007, foi nomeado chefe de gabinete do governador Deval Patrick. Há cinco anos, o homem que inventou o slogan "Yes We Can", David Axelrod, convidou-o para a Casa Branca.
Durante a última campanha presidencial, foi diretor de sondagens dos democratas. Nos primeiros dois anos de mandato de Barack Obama, serviu como assessor do conselheiro David Axelrod.
No ano passado, foi nomeado assessor e conselheiro de Obama na área da comunicação e estratégia. Agora, vai agora tentar garantir o sucesso dos democratas nas eleições intercalares de novembro para o Senado e a Câmara dos Representantes.
Dizendo-se "honrado por ter a oportunidade de servir o presidente da maneira que ele quiser", Simas explica que vai "supervisionar um escritório cuja responsabilidade é, primeiro, ser o principal ponto de contacto na Casa Branca para o Comité Democrata Nacional e para os grupos políticos locais."
"Em segundo lugar, vou dar ao presidente uma variedade de informação política, tentar determinar o nível de apoio para as suas políticas e prioridades e tentar mantê-lo informado do ambiente político no país", acrescenta.
Ao longo de "dias muito longos que ultrapassam muitas vezes as 12 horas de trabalho", o luso-descendente nunca esquecerá a história de António e Deolinda que, na sua casa em Massachusetts, se continuam a preocupar se o filho comeu bem.
"O orgulho que tenho de ser filho de emigrantes é uma coisa de que me lembro todos os dias", diz David Simas, em português.