Em Angola julgam-se presos políticos acusados de nenhum crime. Dizem que é um regime democrático que está em pleno gozo das suas funções. A corrupção está no pódio como grande vencedora. A miséria e a fome também. As potências democráticas fecham os olhos e apontam que assim é que é bom, que assim é que se faz a estabilidade em África. Eis a receita do terrorismo do qual a Europa não se consegue desenvencilhar. Quem apoia a corrupção e as suas ditaduras, no fundo também é terrorista sem o saber.

sábado, 7 de junho de 2014

10 aeroportos que vão fazer você pensar duas vezes antes de arrumar as malas


Se você tiver a sorte de não enfrentar filas ou atrasos, a sensação de estar em um aeroporto significa, muitas vezes, a realização daquelas merecidas férias esperadas há anos, ou a viagem exótica que está planejada desde o fim da faculdade com os amigos.

http://hypescience.com

Mas depois de dar uma olhada nessas pistas horripilantes, você provavelmente nunca mais vai querer voar para longe sem primeiro verificar como é o aeroporto que você vai pousar. E o mais incrível é que todas estas pistas horríveis são permitidas por lei e estão em pleno funcionamento – com a exceção do mortífero Kai Tak, em Hong Kong, desativado em 1998. Prepare-se para ter o seu interior petrificado por esses aeroportos assustadores. Aperte (bem) os cintos:
Pista do Mar de Gelo, Antártida
Esse aeroporto é único, mas não pelos motivos certos. Localizado na base Mc Murdo, na ponta sul da Ilha de Ross, na Antártida, o Sea Ice Runway (Pista do Mar de Gelo, em tradução livre) é totalmente feito de gelo, o que significa que o excesso de pressão – como, talvez, o peso de um avião pode fazer – pode rachar o chão. Não bastasse isso, com certeza ele deve ser um pouco gelado e escorregadio. Os pilotos são aconselhados a tentar não afundar mais de 10 centímetros no gelo. Pelo menos o aeroporto só é usado na primavera – no inverno o clima impossibilita qualquer atividade, e no verão o gelo derrete.
Maketane Air Strip, Lesoto, África
Se o Lesoto, país minúsculo que fica no meio da África do Sul, estiver no seu roteiro de viagem, tente sair de lá de carro, ônibus, bicicleta ou qualquer outro veículo terrestre, ou então prepare-se para viver uma grande aventura. Afinal, o que é mais excitante do que uma pista curta seguida por uma queda mortal? Praticamente nada. Esta linha aí na foto na verdade é a pista do aeroporto Maketane Air Strip. Ela tem somente 400 metros. Para fazer uma decolagem, os pilotos têm que fazer as aeronaves correrem em direção ao penhasco e, em seguida, voarem. Fácil. Ah, e caso não seja um desafio bom o bastante, existem algumas montanhas agradáveis ​​logo em frente. Não custa saber também que a queda tem 200 metros a mais do que a pista. O desfiladeiro logo em frente ao Maketane Air Strip tem 600 metros. Mas ele não é um aeroporto comercial. Médicos e instituições de caridade utilizam o aeroporto para chegar nas vilas próximas. Haja bondade.
Aeroporto de Barra, Escócia
Vendo pelo lado positivo, este aeroporto localizado na parte norte da Ilha de Barra, na Escócia, foi eleito um dos locais de pouso mais impressionantes do mundo. O que significa que, mesmo que você ache que pode estar prestes a morrer, vai ver uma parte muito bonita do planeta.
O que faz com que este aeroporto, que foi votado como o mais assustador do mundo em uma pesquisa entre 1.000 pilotos, seja assim tão amedrontador? Bom, ele é o único do mundo a ter sua pista de pouso e decolagem em uma praia. Isso mesmo. A sinalização é feita com postes de madeira, e caso tenha algum pouso de emergência à noite, as luzes dos carros dos moradores ajudam a guiar o pouso. E claro, os aviões só podem pousar quando a maré está baixa.
Apesar disso, os moradores da ilha aprovam o aeroporto. Estar a menos de uma hora de Glascow facilita a vida não só em relação aos negócios e ao turismo, mas também para aqueles que precisam de tratamento médico urgente. Sem o aeroporto, os moradores teriam que enfrentar uma viagem de duas horas e meia de carro e balsa para outra ilha, onde finalmente poderiam pegar um voo em um aeroporto convencional. Parece mais fácil tomar um banho de mar e fazer o check-in em seguida.
Aeroporto Princesa Juliana, Caribe
Não é chato quando você está tentando relaxar na praia, alguém sacode uma toalha e você acaba com areia em seu olho? Ou quando as crianças resolvem tacar areia molhada umas nas outras e sempre sobra pra você? Pois é, os banhistas da praia de Maho, na ilha de Saint Martin, no Caribe, têm um probleminha um pouco maior. De vez em quando, aviões basicamente fazem o desembarque em cima de suas cabeças. O Aeroporto Princesa Juliana fica literalmente do lado da praia. Ele é o segundo mais movimentado do Caribe e recebe aeronaves grandes, como o Boing e o Airbus, que passam alguns metros acima de banhistas e carros. É realmente impressionante. Apesar disso, apenas dois acidentes foram registrados: um em 1970 e outro em 1972, e em ambos os aviões caíram no mar por problemas que podem acontecer em qualquer aeroporto. Mesmo assim, placas amigáveis avisam que o vento levantado pelos aviões por passarem tão próximos das pessoas pode causar graves danos físicos ou mesmo levar à morte.
Congonhas, São Paulo, Brasil
Sabe o que é estranho? Ter um grande aeroporto a apenas oito quilômetros do centro de uma das maiores cidades do mundo. O aeroporto de Congonhas, em São Paulo, foi construído pouco antes de um rápido crescimento imobiliário, ou seja, há uma abundância de prédios altos em estreita proximidade com a pista. É como se fosse a versão vida real de Flappy Bird.
Congonhas tem a triste honra de ter sido palco de um dos maiores acidentes aéreos da história da aviação brasileira. Em 17 de julho de 2007, o voo TAM 3054, que fazia o trajeto Porto Alegre – São Paulo, ultrapassou o final da pista do aeroporto e se chocou com um depósito de cargas da própria TAM. As 187 pessoas que estavam a bordo faleceram. Outras 12 pessoas que estavam no chão também morreram. No trajeto entre o fim da pista e o depósito, o avião sobrevoou a Avenida Washington Luis, que passa ao lado do aeroporto, e chegou a atingir a parte de cima de alguns carros e o teto de um posto de gasolina. Nenhuma das hipóteses levantadas para as causas do acidente apontava o fato do aeroporto estar no meio da cidade, mas isso com certeza aumenta bastante a possibilidade de que qualquer falha – seja humana ou mecânica – se transforme em uma tragédia.
Courchevel, França
Situado a mais de 500 metros de altura, no meio dos Alpes, não dá para dizer que este aeroporto não é charmoso. Infelizmente, não dá pra dizer também que o Courchevel não tem uma pista curta e difícil, de apenas 525 metros. Não só isso, mas no final da referida pista há uma queda. Apenas uma grande queda no nada. Os pilotos precisam de muito treinamento para pousar ali, aparentemente, e todas as nevascas, gelo e as outras características de uma montanha que ajudam a torná-lo apenas um pouco mais complicado. Quer mais dificuldade? A pista não permite espaço para manobras, e não há sinalização para ajudar no pouso. Boa sorte tentando chegar lá no meio de uma neblina.
Funchal, Madeira
Sabe o que é divertido? Colocar a pista de um aeroporto precariamente à beira de uma ilha, porque não tem mais espaço em qualquer outro lugar. Isso é o que parece ter acontecido na Ilha da Madeira, em Portugal. A pista está aparentemente sendo sustentada por estacas. Não bastasse isso, a chegada dos aviões no aeroporto é considerada uma das mais difíceis do mundo também por causa da grande turbulência que é sentida quando o vento atinge velocidade superior a 15 nós. Os pilotos também costumam sentir uma bem-vinda força ascendente no avião, como se a aeronave não quisesse aterrizar. Isso tudo em uma pista colocada na ponta de uma ilha. A dificuldade é tão grande que os pilotos precisam de uma licença especial para trafegar no Aeroporto de Funchal.
Tenzing-Hillary, Nepal
Este minúsculo aeroporto está situado no topo de uma montanha, e tem um mergulho de mais de 2.700 metros no final da sua pista. Ah, e para o caso de não ser ruim o suficiente, ele tem apenas um décimo do comprimento de uma pista padrão. No vídeo, você pode ver quão divertido é pousar no Tenzing-Hillary. Aqui vai uma breve descrição: montanhas, montanhas, mais montanhas, um fiapo de terra, não, espera, isso é a pista. Aterrizamos, estamos freando, freando, para, para, para! Parou.
Aeroporto da Ilha de Saba, Caribe
Caribenhos parecem ter uma tara por aeroportos exóticos e localizados em lugares sem muito sentido. O Aeroporto da Ilha de Saba é um dos mais curtos do mundo, com uma pista de 400 metros – há quem diga que é o aeroporto comercial com a menor pista do mundo. Não bastasse isso, ele está rodeado por mar em ambas as extremidades e possui montanhas traiçoeiras de um lado. Obviamente, o aeroporto suporta apenas aviões pequenos. Se você está pensando em passar a lua de mel em Saba, não esqueça de surpreender seu marido/esposa mostrando onde vocês vão aterrissar somente quando vocês estiverem chegando. Vai ser inesquecível..
Aeroporto Kai Tak, Hong Kong
Este aeroporto foi fechado em 1998. Você pode apensar “bom, com a enorme quantidade de montanhas e arranha-céus localizados ao norte da pista, o bom senso dos administradores deve ter falado mais alto”. Não, não foi isso. O Kai Tak, um dos aeroportos com mais acidentes na história, foi fechado porque possuía apenas uma pista, o que estava limitando sua capacidade. Projetado para receber 24 milhões de passageiros por ano, em seus últimos dias estava operando com um número superior a 29 milhões.
O Kai Tak estava localizado na populosa baía de Kowloon e era conhecido como um dos aeroportos mais perigosos do mundo. Além de toda a dificuldade por causa da cidade e das montanhas, a aproximação dos aviões não era nada convencional, com o piloto tendo que, em certos momentos, levar o avião “no braço” e de forma visual, sem ajuda do piloto automático. A decolagem também não era das mais fáceis, já que os aviões tinham que fazer grandes curvas para desviar das montanhas.
O aeroporto ficou famoso por seus acidentes. No maior deles, em 1965, um Lockheed Hercules C-130, dos Estados Unidos, perdeu o controle logo depois da decolagem e afundou no porto. 59 fuzileiros navais americanos morreram. [Metro]