quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Governo de Luanda não paga operadoras de lixo há sete meses


José Maria dos Santos, enquanto governador de Luanda, sempre se manifestou indiferente aos problemas destas empresas porque pretendia criar a sua
A empresas de recolha de lixo de Luanda estão a enfrentar uma série de dificuldades no exercício das suas actividades, na sequência da não libertação das verbas, por parte do Governo Provincial de Luanda (GPL), destinadas a elas.
As operadoras vivem esta situação há já sete meses, não se vislumbrando uma saída para o seu fim, o mais depressa possível.
Tudo quanto se sabe é que o Ministério das Finanças já disponibilizou os valores, há muito tempo, tendo o antigo governador de Luanda, José Maria dos Santos, se mostrado indiferente em seleccionar o problema.
A situação é deveras grave, na medida em que as operadoras são obrigadas a se desdobrar no sentido de adquirirem dinheiro, por outras fontes e com elevados custos, para custearem as despesas, por forma a manterem as suas operacionalidades.
Os gastos feitos pelas operadoras são avultados, envolvendo os salários dos trabalhadores, manutenção do equipamento e combustível, entre outros.
Não fosse estes esforços, estas empresas viriam-se abrigadas a estarem endividadas com os trabalhadores e, como consequência, notar-se-ia uma onda de greve um pouco por toda a capital do país.
Com a recém-exoneração de José Maria, as coisas complicaram-se, na medida em que se aguarda pela nomeação do novo governador. Enquanto a situação prevalecer, as operadores continuarão a passar por maus bocados. Uma paralização das mesmas poderá traduzir-se em catástrofe, se tivermos em conta a produção diária de resíduos sólidos.
“Se com as empresas em funcionamento é o que se vê, com a sua paralizarão, o que será?”, interrogou-se fonte próxima destes jornal.
Numa ronda feita em Luanda, constatamos ser voz unânima que a situação seja resolvida pelo Governo de Luanda, num curto espaço de tempo para desafogar as empresas que muito têm feito, haja chuva ou faça sol, para manter limpa a cidade capital do país.
O ANGOLA24HORAS contactou as operadores, mas estas manifestaram indisponibilidades para se pronunciar sobre o assunto, almejando tão-somente que as verbas seja disponibilizada.
Este jornal apurou, por outro lado, que José Maria, enquanto governador de Luanda estava mais preocupado em criar a sua empresa de recolha de lixo do que, propriamente, em velar para as já existentes.
Angola24horas.com