segunda-feira, 23 de julho de 2012

Sutiã medieval de 600 anos é encontrado


Por muitos anos, as pessoas acharam que o sutiã era uma invenção moderna. De fato, a produção em massa de sutiãs começou há pouco mais de um século, quando os espartilhos saíram de moda. Mas alguns arqueólogos da Universidade de Innsbruck, na Áustria, fizeram uma descoberta que coloca a data para a invenção do sutiã mais alguns séculos em direção ao passado.
Em uma investigação arqueológica no Castelo Lengberg, na região do Tirol do Leste, foram encontradas várias peças de fragmentos de tecidos em 2008. A descoberta foi feita naquele ano mesmo, mas a descoberta só foi anunciada recentemente.

Os sutiãs estavam em um depósito de lixo, e provavelmente foram colocados lá quando uma ampliação foi feita no castelo, no século 15. Dois dos sutiãs são descritos como sendo um tipo de combinação de sutiã com camiseta, sem mangas mas com pontos de renda que serviam de suporte. Um terceiro estava bem decorado, e parecia muito com um sutiã moderno, pois tinha alças e algo como tiras para as costas. O quarto era mais parecido ainda, era feito de duas peças de linho costuradas juntas verticalmente.
A descoberta é revolucionária por que fontes escritas medievais que confirmem a existência de sutiãs com taças são muito difíceis de encontrar. Algumas fontes falam de “sacos para os seios” ou “camisas com sacos”, enquanto outros mencionam faixas para prender seios muito grandes. Além disso, embora seja certo que algumas mulheres usavam “sacos para os seios”, não está claro se a maioria usava.
Os testes de radiocarbono nas fibras do tecido confirmam que as peças de roupa foram usadas em algum momento entre 1440 e 1485.
Outras descobertas incluem camisas de linho com colarinho de pregas, um par de cuecas de linho completamente preservados, e um tapa-sexo de um par de calças. Embora nem todas as peças de tecido possam ser identificadas, os cientistas acreditam que poderão reconstruir pelo menos 20 peças de roupa.[History Extra, Spiegel Online, LiveScience, CBS News, The Guardian]