Em Angola julgam-se presos políticos acusados de nenhum crime. Dizem que é um regime democrático que está em pleno gozo das suas funções. A corrupção está no pódio como grande vencedora. A miséria e a fome também. As potências democráticas fecham os olhos e apontam que assim é que é bom, que assim é que se faz a estabilidade em África. Eis a receita do terrorismo do qual a Europa não se consegue desenvencilhar. Quem apoia a corrupção e as suas ditaduras, no fundo também é terrorista sem o saber.

terça-feira, 31 de julho de 2012

Pés de lagartixa inspiram substância que pode colar até 260 kg em uma parede lisa


Durante anos, os biólogos foram surpreendidos com a força dos pés de lagartixa, que permitem que estes animais de 140 gramas produzam uma força adesiva equivalente a transportar 3 quilos por uma parede sem escorregar. Agora, uma equipe de cientistas descobriu exatamente como a lagartixa faz isso, levando-os a inventar a “Geckskin”, um dispositivo que pode segurar 260 quilos em uma parede lisa.
Lagartixas se sentem em casa quando ficam na vertical, inclinadas para trás. “Surpreendentemente, os pés da lagartixa podem grudar e desgrudar com facilidade, e sem resíduo pegajoso que permaneça na superfície”, diz o biólogo Duncan Irschick. Estas propriedades, alta capacidade de reversibilidade e adesão seca, oferecem uma possibilidade tentadora de materiais sintéticos que podem facilmente conectar e desconectar objetos pesados do cotidiano, como televisores ou computadores das paredes, bem como aplicações médicas e industriais, entre outras.
Esta combinação de propriedades nessas escalas nunca foi alcançada antes. “Nosso dispositivo Geckskin possui cerca de 16 centímetros quadrados, do tamanho de um cartão de índice, e pode manter uma força máxima de cerca de 260 kg quando adere uma superfície lisa como o vidro”, diz o cientista especializado em polímero, Alfred Crosby.
Para além da capacidade de colagem impressionante, o dispositivo pode ser liberado com um esforço insignificante e reutilizado muitas vezes sem perder a eficácia. Por exemplo, pode ser usado para colar uma televisão de 42 polegadas a uma parede, descolado com um puxão suave e reutilizado em outra superfície tantas vezes quanto for necessário, não deixando qualquer resíduo.
Esforços anteriores para sintetizar o tremendo poder adesivo dos pés da lagartixa foram baseadas nas qualidades de pêlos microscópicos em seus dedos do pé chamados cerdas, mas os esforços para levá-las a escalas maiores não tiveram sucesso, em parte porque a complexidade do pé da lagartixa inteiro não foi levada em conta. Como Irschick explica, um pé de lagartixa tem vários elementos que interagem, incluindo tendões, ossos e pele, que trabalham juntos para produzir aderência facilmente reversível.
Agora, os cientistas conseguiram descobrir um segredo simples para criar um dispositivo que pode lidar com pesos excessivamente grandes. Geckskin e sua teoria de apoio demonstram que as cerdas não são necessárias como desempenho para a lagartixa. “É um conceito que não foi considerado nas estratégias de outro projeto e que podem dar início a novas pesquisas sobre a aderência das lagartixas no futuro”, diz Crosby.
A principal inovação decobertafoi criar um adesivo integrado com uma almofada macia de um tecido duro, que permite que a almofada se “misture” sobre uma superfície para maximizar o contato. Além disso, como no pé da lagartixa, a pele é feita com um “tendão” sintético, produzindo um desenho que desempenha um papel chave na manutenção da rigidez e liberdade de rotação.
É importante ressaltar que o adesivo Geckskin usa materiais simples do cotidiano, tais como polidimetilsiloxano (PDMS), que é uma promessa para o desenvolvimento de um adesivo de baixo custo, resistente, durável e sem resíduos.
Os pesquisadores continuam a melhorar o design da Geckskin inspirando-se em lições da evolução dos pés da lagartixa, que mostram variação notável na anatomia. “Nosso projeto para Geckskin mostra o verdadeiro poder integrativo da evolução para o projeto sintético inspirador que pode finalmente ajudar os seres humanos de muitas maneiras”, diz Irschick.[ScienceDaily, Foto]