quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Placas tectônicas dobram velocidade de movimento





Postado por: Matheus Gonçalves
climatologiageografica.com

Estudo recente sobre placas tectônicas da Terra indica que elas estão se
movendo mais rápido agora do que em qualquer época nos últimos  bilhões
de anos. Se houver comprovação que tal estudo é verdade, o resultado
poderia ser explicado por outra descoberta surpreendente das últimas
semanas: a presença de mais água dentro do manto da Terra do que em
todos os oceanos juntos .

As placas tectônicas são impulsionadas pela formação e destruição de
crosta oceânica. Quando as placas se afastam acabam permitindo que calor
e magma subam a partir do manto e se solidifique. Onde as placas estão
sendo empurradas, a crosta pode se levantar para formar montanhas ou uma
placa é empurrada para baixo da outra e é sugada de volta para o manto.
Com o envelhecimento da Terra se esperava que o movimento das placas
fossem retardados. Um estudo do ano passado realizado por Martin Van
Kranendonk (Universidade de New South Wales, em Sydney, na Austrália), e colegas mediram elementos concentrados pela ação tectônica em mais de 3000 rochas de todo o mundo, e concluiu que o movimento de placas tem diminuindo nos últimos 1,2 bilhões anos .

Agora Kent Condie (geoquímico do Instituto Novo México de Mineração e
Tecnologia em Socorro) e seus colegas usaram uma abordagem diferente e
concluíram que a atividade tectônica está aumentando. Eles olharam para
a freqüência com que novas cadeias de montanhas se formam quando as
placas tectônicas colidem umas com as outras. Então combinaram essas
medições com dados magnéticos de rochas vulcânicas, para trabalhar em
que latitude as rochas se formaram e como os continentes haviam mudado
de forma rápida.
Ambas as técnicas mostraram que o movimento das placas aceleraram. A
taxa média de colisões continentais e a velocidade média com que os
continentes mudam latitude dobrou nos últimos 2 bilhões de anos.

Condie pensa que a grande quantidade de água no manto terrestre pode
explicar a descoberta. Quando a crosta afunda no manto, a água oceânica
é sugada também. Embora a maioria vem de volta à superfície em emissões
vulcânicas, ao longo dos éons a quantidade de água no manto continua
muito grande.

Peter Cawood (Universidade de St Andrews, Reino Unido) pensa que o
trabalho é interessante. “O aumento da taxa de movimento tectônico
parece real”, afirma.

Van Kranendonk não está pronto para mudar de idéia. ” Nosso trabalho
documenta uma redução da taxa e volume de reciclagem crustal para 1,2
bilhões anos, apoiando a ideia de que o movimento das placas tectônicas,
na verdade, tem vindo a abrandar desde aquela época “, diz ele.

Fonte:

New Scientist
http://www.newscientist.com/article/mg22329843.000-earths-tectonic-plates-have-doubled-their-speed.html#.VAplefldXPN

Tweet https://twitter.com/share