quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Agenda Africana: Prostituição embrulhada em papel de prenda




Amilca Ismael, radicada na Itália, descreveu o cenário do tráfico para prostituição de África para a Itália.

VOA

No dia mundial dos Direitos Humanos falámos com Amilca Ismael, autora de "Efémera Liberdade", um livro que aborda o tráfico humano.
A escritora moçambicana vive na Itália e no seu livro relata a história de Rute, um símbolo de todas as meninas que saem dos seus países iludidas por uma vida melhor que nunca chega a acontecer.
É levada para uma casa de prostituição, frequentada por clientes da alta sociedade, conta Amilca. Rute é uma menina de 14 anos, que sai de África para a Itália com a ilusão de que vai continuar os seus estudos
Amilca Ismael conta-nos tudo:
Tráfico humano, cenário mundial
O relatório das Nações Unidas 2014 sobre tráfico humano, diz que 49 por cento das vítimas de tráfico são mulheres, 18 são homens, 12 por cento são rapazes e 21 por cento são meninas.
Em quase todo o mundo estas pessoas são exploradas sexualmente ou para trabalhos  forçados e escravatura.
Os principais destino do tráfico são as Américas central e do norte, as Caraíbas, Europa central e Médio Oriente.

Moçambique é tido como porta de entrada mais fácil para traficantes de seres humanos com destino à África do Sul, sobretudo mulheres e crianças que são basicamente exploradas na indústria de sexo e trabalho forçado.

Amilca Ismael, radicada na Itália, descreveu o cenário do tráfico para prostituição de África para a Itália.
A escritora moçambicana, vencedora de vários prémios internacionais é autora também de "A Casa de Recordações" e ”A história de Nadia“.