Em Angola julgam-se presos políticos acusados de nenhum crime. Dizem que é um regime democrático que está em pleno gozo das suas funções. A corrupção está no pódio como grande vencedora. A miséria e a fome também. As potências democráticas fecham os olhos e apontam que assim é que é bom, que assim é que se faz a estabilidade em África. Eis a receita do terrorismo do qual a Europa não se consegue desenvencilhar. Quem apoia a corrupção e as suas ditaduras, no fundo também é terrorista sem o saber.

sábado, 13 de dezembro de 2014

Sonangol assina empréstimo de 2 mil milhões USD com banco chinês CDB





A Sonangol e o Banco de Desenvolvimento da China (CDB) assinaram esta sexta-feira, em Pequim, um acordo de concessão de um empréstimo à petrolífera angolana no valor de dois mil milhões de USD (200 mil milhões de kwanzas).
De acordo com um comunicado distribuído em Luanda pela petrolífera angolana, o acordo foi assinado pelo presidente da Sonangol, Francisco de Lemos José Maria, e pelo Presidente do CDB, Zheng Zhijie.
Francisco de Lemos assegurou que os financiamentos do CDB têm sido relevantes para a petrolífera nacional, adiantando que os mesmos "têm permitido a realização de projectos de grande monta na exploração de petróleo bruto, refinação e logística".
Lembrou ainda que o recurso aos referidos empréstimos têm servido igualmente de suporte à petrolífera para "a efectivação de alguns projectos governamentais, designadamente a construção de habitações sociais, que tornaram bastante visível a relação de cooperação entre as partes envolvidas no acordo agora firmado".
De acordo com o presidente da Sonangol, a actual abertura do CDB acaba por "guindá-lo à condição de parceiro credível, estável e com quem se pode contar no futuro".
O responsável pelo banco considerou que o acordo "consolida a parceria entre as duas instituições, realçando a importância de África, e de Angola em particular", na relação entre os dois estados, assim como dos créditos que o CDB tem concedido à economia angolana desde 2008.
Zheng Zhijie lembrou que Angola é o segundo maior fornecedor de produtos petrolíferos à China, assegurando que o CDB tem acompanhado atentamente o desenvolvimento da Sonangol, classificando o acordo agora assinado como "uma nova linha de partida nas relações com a petrolífera nacional".
De acordo com o comunicado, este financiamento "vai suportar projectos de expansão da Sonangol no segmento do petróleo e gás".
"O acordo terá a prevalência de 10 anos, mas, nas palavras de Francisco de lemos, e abre fortes perspectivas para outros financiamentos de longo prazo, atendendo às apostas futuras da Sonangol, que em 2015 iniciará a construção da Refinaria do Lobito, e que este ano deu o arranque a vários projectos de monetização de gás natural", conclui o documento.
O Banco de Desenvolvimento da China é a maior instituição financeira chinesa, em termos de cooperação com o exterior, particularmente na área da concessão de créditos.
NJ/Expansão