segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

BANCO BCP. Jardim Gonçalves condenado a multa de um milhão de euros


O Tribunal de Pequena Instância Criminal deu como provadas as acusações da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários contra os nove arguidos do caso BCP, incluindo o fundador Jardim Gonçalves, por prestação de informação falsa ao mercado. Vários advogados de defesa anunciaram que vão recorrer.
http://www.jn.pt
Magalhães e Silva, advogado de Jorge Jardim Gonçalves (fundador e antigo presidente do BCP), em declarações aos jornalistas logo após o desfecho do julgamento, lançou algumas críticas sobre a forma como este foi conduzido e confirmou que vai recorrer da decisão divulgada pela juíza, esta sexta-feira.
Jardim Gonçalves, fundador e antigo presidente do BCP, viu confirmadas as contraordenações muito graves que deram origem a uma coima única de um milhão de euros, a mais elevada entre os nove arguidos que tinham recorrido do processo administrativo lançado contra eles pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). O antigo banqueiro viu também confirmada a inibição de desempenhar cargos no setor financeiro durante cinco anos. Quanto a Filipe Pinhal, que também presidiu o BCP, a juíza confirmou a coima de 800 mil euros e a inibição por cinco anos decidida admistrativamente pelo supervisor do mercado português.
Já o antigo administrador financeiro do BCP, António Rodrigues, viu confirmada a coima única (após cúmulo jurídico) de 900 mil euros e os cinco anos de inibição.
Christopher de Beck, antigo administrador do banco, foi condenado a pagar uma coima de 650 mil euros e terá que cumprir a inibição de funções durante quatro anos.
António Castro Henriques, antigo administrador do BCP, terá que pagar uma coima de 250 mil euros e cumprir uma inibição por dois anos.