terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Luanda. A maka dos sistemas nos bancos




Muitos angolanos são obrigados a esperar horas em filas intermináveis para levantar dinheiro ou fazer uma simples operação bancária como consultar o extracto ou efectuar transferências interbancárias. Depois de dezenas de intermináveis minutos numa fila de espera, vem de lá um funcionário e diz, «O sistema caiu». E o melhor é sair dali rapidamente, a reposição do sistema só dia seguinte ou, na melhor das hipóteses algumas horas depois mais tarde! A esse respeito há gestores que justificam o problema pela acumulação excessiva de clientes devido à falta de interesse do cidadão nas novas tecnologias como o internetbanking, deixando supor que eles não têm culpa nenhuma dos falhanços do sistema, quando de facto, eles se servem desse estratagema para justificar curiosas e enigmáticas interrupções da actividade bancária. Ora acontece que um dos bancos da nossa praça pôs a boca no trombone e confessou que nas suas agências não havia problema o que demonstra claramente que essa do «Estamos sem sistema», é mais uma propositada estratégia bancária posta em prática exclusivamente para evitar pagamentos a uma certa e determinada altura.
In FOLHA 8 Nº 1092 de 28 de Abril de 2012
Na imagem, o abraço da distribuição da riqueza, de autor desconhecido.